10 TENDÊNCIAS INOVADORAS PARA A EDUCAÇÃO

‹ voltar

15.08.2019

10 tendências inovadoras para a educação atual e o que podem crescer nos próximos anos.

 

 

Boa tarde leitores, tudo bem?

Hoje falaremos de algo que é de interesse de qualquer um que se preocupe minimamente com a área da educação no Brasil, seja estudante, seja professor ou gestor escolar, é fato que existe o interesse comum de todos por melhorias no setor educacional no Brasil. Esta busca pressupõe diversos fatores que envolvem liderança e inovação, hoje o mundo pede que a instituição seja capaz de se comunicar de fato com seus alunos. Por isso, hoje falaremos das dez tendências inovadoras para a educação atual e o que podem crescer nos próximos anos.

A primeira que apontamos é a Realidade Virtual ou Realidade Aumentada. O que é isso afinal? Estou falando na verdade de uma integração de elementos ou informações virtuais a visualizações do mundo real através de uma câmera, sim leitores, isso começou como entretenimento e virou prática educacional, também virou técnica para design de produtos e por aí vai.... No caso do ramo educacional, a realidade virtual contribui diretamente para o que pontuei acima, a comunicação efetiva com as gerações de alunos presentes em sua escola, hoje o mundo é muito visual, imagético. É uma experiência interativa de um mundo real, onde objetos que residem no mundo real são “acentuados” por informações perceptivas criadas por computadores, algo que inevitavelmente só vai dar passos largos futuramente.

Em seguida, ressalto a noção do BYOD ou Bring your own device, em terras tupiniquins, traga seu próprio dispositivo, isto é, aquele discurso de que sala de aula é proibido tablet e celulares está cada vez mais caindo por terra, agora é tudo liberado! A regra é a exploração de possibilidades interessantíssimas até o infinito, aproximando cada vez mais aluno, metodologia de ensino e professores, além da economia de tempo para as aulas renderem mais, ser mais otimizado.

A terceira tendência importante, é o uso de um ecossistema próprio de aplicativos, quando falo ecossistema, considero obviamente diversas possibilidades e técnicas de ensino, lousas interativas, apresentações dinâmicas em novos formatos de datashow 3D como o PREZI, por exemplo, além de plataformas digitais, a efetiva comunicação com outras instituições do mundo e programas efetivos para isso, até o uso de aplicativos em sala de aula tem mostrado bons resultados, é a cultura maker meus caros.

Nossa quarta tendência, é o uso da prática do coding nos processos de ensino e aprendizagem, o coding é na verdade uma reunião de outras técnicas importantes da educação como a metodologia STEM, por exemplo, se trata de uma rica exploração de maneiras tecnológicas e interessantes de trabalhar lógica de algoritmos e do mundo digital da programação, um tipo de conhecimento de extrema relevância e expansão do mercado nos tempos atuais, sabe aquela história das profissões do futuro?

A prática da gameficação é nosso quinto aspecto importante de ser observado quando o assunto é inovação, a indústria de games é a locomotiva nos tempos atuais. Hoje em dia está mais claro algo que pouco suspeitávamos na década de 1990, por exemplo, de que os games possuem uma capacidade de ampliar o campo de percepção do ser humano realmente efetivo e dinâmico, demorou um pouco, mas hoje a escola entende que dá para aprender jogando sim, se não entender isso, terá grandes dificuldades.

Na sexta posição, está a necessidade latente da transformação de bibliotecas, ou de espaços dedicados à leitura, hoje as novas gerações de alunos que estão chegando nas escolas têm exigido cada vez mais centros de tecnologia e informação e não somente bibliotecas, é preciso que este trabalho seja feito de maneira efetiva e impactante, que o espaço seja capaz disso, você leitor ou acadêmico, por incrível que pareça, consegue pensar uma biblioteca hoje sem internet a disposição?

A sétima tendência é mais uma necessária para uma boa sobrevivência no mercado de trabalho em sua atual configuração, o empreendedorismo é algo extremamente valorizado em nosso tempo, por isso é crucial que a escola seja capaz de criar uma atmosfera que favoreça a criatividade, a pro atividade, a resolução de problemas, a pesquisa e o protagonismo dos alunos. Criar empregos é melhor que procurar, este é o lema das gerações pós-Google.

Em oitavo lugar, ressalto a presença da inteligência artificial na educação, é o mesmo assunto dos videogames nos processos de ensino/aprendizagem caros leitores, o que vemos atualmente é que quanto mais dados a escola tem do aluno, mais ela evolui, este é um caminho claro de pensar vários tabus, como avaliação e auto avaliação, por exemplo.

Na penúltima posição, destaco a importância latente e cada vez mais, das escolas serem capazes de formar também a fluência digital de seus alunos, pegue você leitor o caso do estudo e ensino de inglês, por exemplo, quanto mais vivência o aluno tem, mais ele aprende, certo? Com o uso da tecnologia é a mesma coisa, por mais high tech que o mundo anda.

Por fim, finalizo nossa conversa de hoje com a tendência número dez, a aprendizagem colaborativa. Isso é na verdade um dos resultados colhidos de alunos que são protagonistas de sua formação, de uma escola que é capaz de dar autonomia a seus estudantes, o conhecimento hoje é construído através de uma parceria entre alunos e alunos e alunos e professores, percebem? Todo mundo junto e simultâneo, coexistindo, há um olhar também sobre os processos e não somente os resultados, os meios e não somente os fins. E claro, interdisciplinaridade é a palavra de tudo isso.

Ficamos por aqui, espero que tenhamos te atualizado brevemente.

Ótima semana.

 

                                               Victor Gulart”